Read synchronized with  German  English  French  Finnish  Russian 
< Prev. Chapter  |  Next Chapter >
Font: 

O mesmo. Uma rua. Entram Capuleto, Páris e um criado.

CAPULETO - Tanto eu como Montecchio recebemos igual penalidade. Corno velhos em paz viver não nos será difícil.

PÁRIS - Ambos gozais de altíssimo conceito, sendo de lastimar que há tanto tempo vivais em desavença.

Mas agora, milorde, que dizeis de meu pedido?

CAPULETO - Repito o que já disse. Minha filha ainda é uma estrangeira neste mundo; mal o curso notou de quatorze anos. De dois estios murchará o orgulho, sem que ouçamos das núpcias o barulho.

PÁRIS - Mães venturosas já são muitas outras jovens mais moças ainda.

CAPULETO - As que começam antes do tempo, também morrem cedo. Todas as minhas esperanças foram tragadas pela terra; somente essa me resta, herdeira grata do que tenho. Mas meu Páris gentil, falai com ela; nisso, minha vontade uma parcela, tão-só, do seu querer. Sendo do gosto dela, no mesmo ponto estou disposto a dar, alegre, o meu consentimento. Seguindo agora o velho regimento, darei hoje uma festa de alegria para a qual convidei a companhia de pessoas amigas. Vós, também, sendo mais um, fazeis, como ninguém, jus ao convite. Completai a lista, sem ser preciso que eu sobre isso insista. Em minha pobre casa heis de irradiantes estrelas hoje ver, que, mui galantes, da terra lançam luz ao céu sombrio. A sensação que tem o homem sadio, quando abril ataviado segue os passos do coxo inverno, trêmulos e lassos, em casa hoje heis de ter, no mesmo instante em que virdes o bando deslumbrante de botões femininos. Sede atento para todas, mostrai contentamento com a que vos parecer mais bem prendada. Entre muitas, também, examinada minha filha há de ser, que embora possa ter mérito, a nenhuma fará mossa. Vinde comigo.

(Entrega um papel a um dos criados.)

Olá, rapaz! Depressa corre a bela Verona e os nomes dessa lista procura, a todos anunciando que hoje terão de minha casa o marido.

(Saem Capuleto e Páris.)

CRIADO - Procurar os donos dos nomes desta lista! Está escrito que o sapateiro se ocupará com sua jarda, o alfaiate com suas formas, o pescador com seu pincel, o pintor com suas redes. Mas a mim me incumbem de procurar os donos dos nomes escritos aqui, sem que eu jamais possa encontrar os nomes anotados pela pessoa que escreveu isto. Tenho de procurar gente instruída. Oh! Em boa hora!

(Entram Benvólio e Romeu.)

BENVÓLIO - Ora, rapaz! Incêndio a incêndio cura. Uma dor faz minguar a mais antiga. Desvirar do virar sara a tontura. Um desespero a velha dor mitiga. Deixa os olhos pegar nova infecção, porque da velha possas ficar são.

ROMEU - Vossa folha de plátano para isso fora excelente.

Romeu e Julieta

BENVÓLIO - Para quê, amigo?

ROMEU - Para perna quebrada.

BENVÓLIO -- Estás maluco, Romeu?

ROMEU - Maluco? Não; mas mais atado do que um louco furioso; encarcerado, morto de fome, chibateado, posto no banco de tormento e... Salve, amigo CRIADO - Deus vos salve, senhor. Por obséquio, senhor, sabeis ler?

ROMEU - Sei, sim; minha miséria e a própria sorte.

CRIADO - Talvez tivésseis aprendido isso sem o auxilio de livros. Mas, por obséquio, sereis capaz de ler tudo o que virdes?

ROMEU - Sou, se souber a língua e vir o escrito.

CRIADO - Falais com honestidade. Passai bem.

(Faz menção de retirar-se.)

ROMEU - Espera aí, rapaz; sei ler. "Signior Martino, sua esposa e filhas; o conde Anselmo com suas encantadoras irmãs; a senhora viúva de Vitrúvio; signior Placêncio e suas amáveis sobrinhas; Mercúcio e seu irmão Valentino; meu tio Capuleto, sua esposa e filhas; minha linda sobrinha Rosalina; Lívia: o signior Valêncio com seu primo Tebaldo; Lúcio e a encantadora Helena." Belo conjunto. Onde é que será isso?

CRIADO - Lá em cima.

ROMEU - Onde?

CRIADO - Na ceia em nossa casa.

ROMEU - Casa de quem?

CRIADO - Do meu amo.

ROMEU - Com efeito; é o que eu deveria ter perguntado em primeiro lugar.

CRIADO - Mas vou dizer-vos, sem que mo pergunteis. Meu amo é o grande e rico Capuleto, e se não fordes da casa dos Montecchios, peço-vos que também vades esvaziar uma taça de vinho. Prossegui alegre.

(Sai.)

BENVÓLIO - Nessa tradicional festividade de Capuleto vai cear a tua formosa Rosalina, juntamente com as demais beldades de Verona. Vai também, e com olhos imparciais compara o rosto dela com o de quantas eu te mostrar por lá, que sem estorvo, verás teu cisne transformado em corvo.

ROMEU - Se meus olhos devotos falsidade tão grande sustentarem, que em fogueira de suas lágrimas morra sem piedade, como hereges passíveis de cegueira. Mais linda que ela! Nunca o sol radiante no mundo todo viu tão bela amante.

BENVÓLIO - Pesaste-a nos dois pratos da balança de teus olhos, sem outra vizinhança. Mas sopesa nos Romeu e Julieta

pratos de cristal tua beldade e outra qualquer vestal que eu te mostrar brilhante nessa festa, e logo a tua te será indigesta.

ROMEU - Irei; não para ver tal resplendor, mas para me ofuscar em meu amor.

(Saem.)